segunda-feira, março 28, 2011

A cobrança.

Pessoas encoleradas em gravatas sociais.
Em cólera.
Pela manhã descontando sua raiva em terceiros,
dentro do metrô o inferno é contínuo,
uma manada enfurecida já cansada dessa vida.
Comprimem-se dentro do vagão.
Matadouro de improviso.
E no fim do mês um sorriso,
de mais uma vez ter consegido,
manter todas as futilidades que o mantém
                                                             [sorrindo.
Cheiro de suór e hipocrisia.
Inclusive por este que vos fala.
Desgosto sobre zanga estampados na cara.

As pessoas pedem socorro sem saber que se condenam.
Os seus próprios sonhos desgraçam sua existência.
Maldito mundo moderno e suas maravilhas.
Malditos contos de fadas e suas fantasias.
Maldita realidade e sua humanidade, falhas, hipocrisia, desiguldade, desespero, insanidade...